Breaking News

Grupo da Lava Jato pede demissão após busca de dados por aliada de Aras


Procuradores que integram o grupo da PGR (Procuradoria Geral da República) que atua em processos da Lava Jato pediram demissão nesta 6ª feira (26.jun.2020). Assinaram a carta de demissão os procuradores Hebert Reis Mesquita, Luana Macedo Vargas, Maria Clara Noleto e Victor Riccely Lins Santos.
O pedido de demissão coletiva é uma reação à visita da chefe desse núcleo e braço direito de Augusto Aras, a subprocuradora-geral Lindôra Araújo, à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. A visita ocorreu na 4ª (24.jun) e 5ª feira (25.jun).

Em ofício ao procurador-geral da República, os procuradores do Paraná disseram que a ida de Lindôra ao QG da Lava Jato em Curitiba configurou uma “busca informal” que visava a obter “informações, procedimentos e bases de dados da força-tarefa em diligência efetuada sem prestar informações sobre a existência de 1 procedimento instaurado, formalização ou escopo definido“. Disseram ver o ato com “estranhamento“.
Em nota, Lindôra disse que a visita foi agendada há cerca de 1 mês com o coordenador da força-tarefa no Paraná, o procurador Deltan Dallagnol. Disse que pediu acesso a informações para “solucionar eventuais passivos“.
Não houve inspeção, mas uma visita de trabalho que visava a obtenção de informações globais sobre o atual estágio das investigações e o acervo da força-tarefa, para solucionar eventuais passivos. […] Não se buscou compartilhamento informal de dados, como aventado nas notícias da imprensa, mas compartilhamento formal com acompanhamento de 1 funcionário da Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise (Sppea), órgão vinculado à PGR, conforme ajustado previamente com a equipe da força-tarefa em Curitiba“, disse a subprocuradora-geral.
Lindôra disse que fez o mesmo pedido às forças-tarefas de São Paulo e do Rio de Janeiro. “Os assuntos da reunião de trabalho, como é o normal na Lava Jato, são sigilosos. A PGR estranha a reação dos procuradores e a divulgação dos temas, internos e sigilosos, para a imprensa“, finalizou o texto.
Após o pedido de demissão dos procuradores até então subordinados a Lindôra, as forças-tarefas da Lava Jato no Paraná, em São Paulo e no Rio de Janeiro, bem como a força-tarefa da operação Greenfield, divulgaram nota em solidariedade aos procuradores. Disseram “expressar integral confiança” nos profissionais.
São procuradores da República competentes, dedicados, experientes e amplamente comprometidos com a integridade, a causa pública e o combate à corrupção e enfrentamento da macrocriminalidade. Ao longo de anos, Hebert Reis Mesquita, Luana Macedo Vargas, Maria Clara Noleto e Victor Riccely Lins Santos cooperaram amplamente em importantes trabalhos conjuntos com as forças-tarefas Lava Jato e Greenfield, razão pela qual os seus integrantes expressam seu profundo agradecimento e admiração.

Postar um comentário

0 Comentários

×