Bolsonaro pede para apoiadores não irem a atos e chama opositores de ‘marginais’


O presidente Jair Bolsonaro pediu nesta 5ª feira (4.jun.2020) que seus apoiadores evitem participar de atos em defesa do governo no próximo domingo (7.jun). Nesse dia estão previstas manifestações contra o Executivo. Classificou os participantes do movimento contrário ao seu governo como “marginais”.
“Não estou torcendo para ter quebra-quebra não, mas a história diz que esses marginais de preto, que vão com soco inglês, com punhal, barra de ferro […], geralmente apedrejam e queimam bancos, estações de trem”, falou em sua tradicional live semanal.
O presidente também pediu que os pais não deixem os filhos irem. “Não é liberdade de expressão, é quebra-quebra. Não é porque tem uma faixa escrito ‘democracia’ que os caras estão defendendo a democracia.”
Na live, Bolsonaro criticou os atos do último domingo (31.mai.2020), quando houve cenas de depredação de patrimônio público e privado. Criticou, ainda, a atuação da mídia na cobertura dos atos. O presidente disse que os manifestantes são “blackblocs”, uma tática de guerrilha urbana. “Vocês que têm ajudado tanto os ‘antifas’, o nome agora dos blackblocs.”
Em outro momento, Bolsonaro comemorou a decisão de O Globo e da Folha de S. Paulo de deixarem de enviar profissionais para fazer a cobertura diária no Palácio do Alvorada.
Segundo o mandatário, “os governadores, que têm compromisso com a democracia de verdade, com a Constituição, com as leis, com o bem estar da população, estão se preparando para reagir caso o pessoal ultrapasse o limite da racionalidade”.
Assista à live (47min30seg) do presidente desta 5ª feira (4.jun):



Cloroquina

O mandatário lembrou das vezes em que foi criticado por defender o uso da cloroquina no tratamento da covid-19. Citou a retomada dos testes com o medicamento por parte da OMS (Organização Mundial da Saúde).
“Se existe uma chance de a pessoa se curar com a cloroquina, deixa usar. Lamento a questão de alguns senadores do PT que entraram com requerimento no TCU para barrar o protocolo do general Pazuello, que é nosso ministro interino da saúde. Olho que ponto chega. Se tenho outra coisa, tudo bem. […] Não tem [outra alternativa], deixa quem quer tomar, tomar.”

Bolsa Família

Bolsonaro reclamou de reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo que diz que ele teria tirado dinheiro do Bolsa Família para dar para a propaganda oficial do governo. “Estou anunciando onde, Folha de S.Paulo?”, questionou. Chamou o periódico de “lixo”.
“Vocês querem derrubar o governo? Vocês querem a volta da baderna no Brasil? […] Folha de S.Paulo, mais uma vez, mais uma mentira no tocante de que tirei dinheiro do Bolsa Família para dar para propaganda oficial. Você acha que vou anunciar algum ato do governo nesse lixo de jornal?”
O presidente completou dizendo desejar que empresários não anunciem em jornais ou televisões que, segundo ele, só fazem críticas ao governo. “Vou perder mais tempo com a Folha de S.Paulo não”, disse.
Em relação ao pagamento de 13ª parcela do benefício permanentemente, disse que a medida provisória que tratava da possibilidade perdeu a validade, mas que ele buscaria uma maneira de fazer o pagamento.

Fascismo

O presidente Jair Bolsonaro fez a transmissão ao vivo ao lado de seu assessor para assuntos internacionais, Filipe Martins. Pediu a ele, que é professor de Política Internacional, que explicasse o conceito de fascismo. A denominação tem sido atribuída ao presidente e a outros líderes mundiais em manifestações.
Martins disse: “Fascismo é o oposto do seu governo. Preconiza Estado grande, controle social da mídia. Se pegar 1 lema, talvez, o mais consagrado do fascismo é: tudo pelo Estado, tudo no Estado, nada fora do Estado. O senhor vem defendendo o quê: […] mais Brasil, menos Brasília, privatização, liberação da economia. Então [o fascismo] é o exato oposto daquilo que o senhor defende”.

Desemprego e covid-19

Como costuma fazer, o presidente Jair Bolsonaro voltou a manifestar preocupação com a paralisia econômica diante da pandemia. Citou exemplos de trabalhadores como churrasqueiros e vendedores de rua como os mais prejudicados. “Esse pessoal perdeu 80% da sua renda, segundo a OIT [Organização Internacional do Trabalho]”, lamentou.
O presidente voltou a reclamar de atitudes de governadores em relação ao isolamento social, mas frisou que o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou que não compete a ele interferir.

Encontro com Silas Malafaia

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai participar de uma live com líderes evangélicos. O evento será realizado nesta 6ª feira (5.jun.2020), às 16 horas. Entre os líderes religiosos, participará o pastor Silas Malafaia, que chegou a dizer, em março, que não fecharia as igrejas como medida de isolamento social em razão da pandemia.

Postar um comentário

0 Comentários

×