Jornalistas são agredidos durante manifestação pró-Bolsonaro


Equipes de reportagem foram censuradas durante a manifestação em  apoio ao presidente  Jair Bolsonaro da tarde deste domingo (03.mai.2020) na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Houve agressões físicas, ameaças e diversos xingamentos.
O repórter fotográfico do jornal O Estado de S. Paulo Dida Sampaio foi derrubado duas vezes de cima de uma escada enquanto fazia fotos. Foi então agredido com chutes e 1 soco no estômago quando já estava em pé. O motorista do Estadão Marcos Pereira também foi insultado.
O repórter do Poder360 Nivaldo Carboni levou 1 chute e foi hostilizado várias vezes. O repórter fotográfico Orlando Brito, do site Os Divergentes, e o repórter Fabio Pupo, do jornal Folha de S.Paulo, foram empurrados ao tentar ajudar Dida Sampaio.
“Fui socorrer o Dida e acabaram me pegando. Me deram uma porrada e meus óculos voaram longe. Pisaram nos óculos. Tentaram tomar uma das minhas câmeras para quebrar. ‘Quebra, quebra!’. Eu falei: ‘Não, meu irmão’. Enfim, aí consegui fugir”, relata Orlando Brito, que tem 70 anos e 54 anos de profissão.
A pressão dos manifestantes fez com que alguns dos profissionais de mídia fossem retirados do local por uma viatura da Polícia Militar do Distrito Federal.
Outros profissionais de imprensa foram insultados. Os manifestantes gritavam também “Globo lixo” enquanto o presidente Jair Bolsonaro fazia uma live no Facebook.
Assista ao momento em que o repórter fotográfico Dida Sampaio é hostilizado e expulso da manifestação.
Ao ser alertado  por assessores das agressões, o presidente respondeu em vídeo gravado: “Pessoal da Globo vem aqui falar besteira. Essa TV foi longe demais”. Em momento nenhum repudiou as agressões aos jornalistas.

ATIVIDADE ESSENCIAL

O presidente Bolsonaro definiu como essencial as atividades e os serviços da imprensa como medida de enfrentamento à pandemia da covid-19.
O texto resguarda o funcionamento pleno e o direito em exercer todas as atividades de comunicação: radiodifusão de sons e de imagens, a internet, os jornais e as revistas. E pelo decreto está proibida a restrição à circulação de trabalhadores da imprensa.

ABRAJI REPUDIA

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) publicou nota em que repudia o ataque aos jornalistas.
Em pleno Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, jornalistas foram hostilizados e covardemente agredidos por militantes políticos ao realizarem a cobertura de manifestações em apoio ao presidente Jair Bolsonaro na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Tais acontecimentos evidenciam o risco cada vez maior ao qual o discurso belicoso e ultrajante do presidente da República expõe os repórteres brasileiros”, afirma o texto da Abraji.

Postar um comentário

0 Comentários

×