Bolsonaro inclui academias e salões de beleza em lista de serviços essenciais

 
O presidente da República, Jair Bolsonaro, decidiu nesta 2ª feira (11.mai.2020) incluir academias e salões de beleza no rol de atividades essenciais que autorizadas a funcionar durante a emergência em saúde pública ocasionada pela pandemia.
“Eu coloquei hoje, porque saúde é vida. Academias, salão de beleza, cabeleireiro também, porque isso aí é higiene”, disse o presidente na chegada ao Palácio da Alvorada. O decreto foi publicado em edição extra do DOU (Diário Oficial da União).

O chefe do Executivo federal voltou a desferir críticas aos governadores que têm mantido restrições aos serviços na tentativa de frear a disseminação da covid-19. “Estou vendo muitos prefeitos reclamando que querem botar suas cidades para trabalhar, e o respectivo governador não deixa. Tem cidade que não tem 1 caso do vírus, e está quase completamente fechada.”
Bolsonaro também reiterou seu pensamento de que economia e contenção da pandemia devem caminhar juntas. “Cada percentual que se aumenta no número de desempregados no Brasil, a violência cresce também.”
Mesmo com o decreto, os setores não poderão reabrir automaticamente. Conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal em abril, cabe aos Estados e municípios estabelecer o que abre e o que fecha.

Reajuste de servidores

Em relação a trecho de projeto de lei que libera o reajuste salarial para algumas categorias de servidores mesmo em meio à pandemia, Bolsonaro sinalizou que deve decidir possíveis vetos na 4ª feira (13.mai).
“Conversei com Paulo Guedes de manhã, a Economia está trabalhando na questão dos vetos, vamos atender 100% o Paulo Guedes. Teve alguns pedidos que não foram aceitos, teve pedido de tempo. Daria pra sancionar ou vetar hoje, o que fosse necessário, houve pedido por parte de alguns governadores pra passar para 4ª feira a sanção ou o veto. Talvez 4ª feira decidir, talvez”.
O presidente continuou: “Se o projeto fosse melhor distribuído seria mais fácil fazer. Quando você veta uma coisa, você mexe com muita coisa, essa é a dificuldade. Quando se fala em servidor público. A tendência do corintiano é ter deflação? A tendência é perder o poder aquisitivo –tá perdendo–, e perdendo o poder inquisitivo, a inflação cai. Cai podendo entrar em deflação. Agora o servidor público, a grande maioria é consciente e sabe que se a economia não vai recuperar e não vai ter dinheiro pra pagá-los”.

Vídeo de reunião ministerial

O presidente comentou sobre o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril que é ponto central de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal). O encontro foi apontado pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro como o momento em que Bolsonaro teria manifestado sua intenção de interferir politicamente na PF (Polícia Federal).
“Eu nunca ofendi ninguém. Eu nunca agredi ninguém. Eu nunca ameacei ninguém. Pronto, suficiente. Está na fita”, disse. “Zero [preocupado]. Nós fornecemos o vídeo na íntegra e não precisa fornecer no meu entender, porque não é 1 vídeo oficial. Para comprovar que nada devemos no tocante ao inquérito”, acrescentou.
Bolsonaro chegou ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, sem máscara. Depois, voltou ao carro e pegou o equipamento. No Distrito Federal o uso obrigatório de máscaras começou a valer nesta 2ª feira (11.mai).

Postar um comentário

0 Comentários

×