Senadores da Rede pedem que Justiça anule demissão de Valeixo da PF


Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Fabiano Contarato (Rede-ES) protocolaram na 22ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal uma ação popular que pede a anulação da demissão de Maurício Valeixo do comando da PF (Polícia Federal).
O documento se baseia nas declarações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que acusou o presidente Jair Bolsonaro de ter cometido crimes de responsabilidade por tentar interferir na Polícia Federal.
Para os senadores, Bolsonaro viola “os princípios constitucionais, mais notadamente os da moralidade e da impessoalidade”. Alegam que o presidente tem interesse de interferir em investigações ligadas aos seus filhos.
“São de responsabilidade da Polícia Federal também as investigações referentes ao inquérito sobre a disseminação de notícias falsas (fake news) do STF, que podem envolver Carlos e Eduardo, filhos do presidente. Há, ainda, a preocupação de que a Polícia Federal avance nas investigações contra outro filho de Bolsonaro, o senador Flávio, suspeito de desviar recursos de seus antigos assessores na Assembleia Legislativa do Rio.”
Bolsonaro negou as acusações de interferência de Moro na tarde de 6ª, mas disse que queria colocar alguém no cargo “com quem possa interagir”.
O atual diretor da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Alexandre Ramagem, deve ser indicado para a chefia da PF. Delegado da corporação, tem o apoio da família Bolsonaro. Foi 1 dos chefes da escolta do então candidato ao Palácio do Planalto em 2018.
Na ação, os senadores pedem a suspensão de novas nomeações (exceto para cargos vagos em 23 de abril de 2020) na estrutura da Polícia Federal.
“A interferência serviria justamente para tentar garantir verdadeira blindagem a priori a investigados do círculo do presidente, ou seja, teriam verdadeiros ‘superpoderes’ de cometerem eventuais crimes, mas nunca serem por eles responsabilizados”, diz trecho do documento.

Postar um comentário

0 Comentários

×