Guedes sugere “passaporte de imunidade” na “2ª onda” de impacto da covid-19


O ministro Paulo Guedes (Economia) disse que o Brasil passará por uma 2ª onda do impacto do coronavírus –a 1ª de saúde e esta outra, econômica. Sugeriu que, para lidar com essa nova etapa, o país deverá utilizar 1 “passaporte de imunidade”.
Segundo Guedes, haverá “testes em massa”, o que possibilitará que 1 número maior de pessoas saiba se está ou não com a doença. Dessa forma, quem não estiver com o vírus, poderá circular. “Tem o passaporte de imunidade. Está negativo? Pode circular. As pessoas vão sendo testadas semanalmente. Quem estiver livre [do vírus], continua trabalhando normalmente.”
Guedes disse que conversou com “1 amigo”, residente no Reino Unido, que se dispôs a dar para o Brasil 40 milhões de testes por mês. A proposta já foi comunicada ao ministro Henrique Mandetta (Saúde), disse Guedes.
A declaração foi feita em videoconferência promovida pela CNDL (Câmara Nacional de Dirigentes Lojistas). Participaram representantes do IDV (Instituto de Desenvolvimento do Varejo), da CACB (Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do País), da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), entre outras.
O ministro foi questionado por 1 dos representantes do setor sobre o fim das recomendações de isolamento social no país. Guedes afirmou que não sabe se durará 1 mês ou 2 meses, mas que “vale o que a ciência diz”. Voltou a citar a “2ª onda”: “O presidente já deu alerta que a 2ª onda está vindo. Em vez de vir com negação, que só saúde é importante, sabemos que a 2ª onda está aí e temos que estar preparados”, afirmou.

FERIADOS NACIONAIS

O chefe da pasta da Economia foi questionado por 1 dos varejistas sobre a possibilidade de antecipar os feriados nacionais para o período de quarentena. A iniciativa já está na MP 927 de 2020, editada pelo governo em 22 de março. Respondeu que achava uma “excelente sugestão” e informou que já havia tomado a atitude –mas não detalhou a medida.
“Depois desse período, o Brasil seria reaberto, poderíamos sair para trabalhar. Já estamos passando os sábados e os domingos juntos. Nós vamos precisar disso, do comércio funcionando nos feriados quando essa fase passar, até do ponto de vista de uma ressurreição espiritual”, disse.
O texto da medida provisória autoriza que, enquanto estiver determinado o estado de calamidade pública no país, o empregador pode solicitar que o empregado tire as devidas folgas relativas a feriados “não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais” antes da data. Para isto, precisa avisar o trabalhador com antecedência de, pelo menos, 48 horas.
Tais feriados poderão ser compensados por banco de horas. No caso de feriados religiosos, é necessário acordo entre empregador e empregado.

“CULTURA DO CALOTE”

O ministro disse que a crise provocada pelo coronavírus não deve estimular uma “cultura do calote” no país. Aos varejistas, afirmou que é preciso “manter a economia brasileira respirando e oxigenada”“Não podemos cair na atração fatal da inadimplência, da falta de pagamento, da moratória, do vale-tudo. Isso descontinua a rede nacional de pagamentos.”
Em algumas ocasiões, dirigia mensagens à população. Pediu que os brasileiros não deixem de pagar as contas para evitar “destruir, descapitalizar e descontinuar” os serviços.
Aos varejistas, defendeu a retirada dos encargos trabalhistas. Disse que são “armas de destruição em massa de empregos”. Também sugeriu a retirada de outros impostos “disfuncionais”.

BANCO CENTRAL

Guedes relembrou as recentes medidas econômicas tomadas pelo governo nas últimas 3 semanas –que, segundo ele, já chegaram a casa dos R$ 800 bilhões. Afirmou que foi lançada uma “camada de proteção aos mais frágeis”. Mas avisou que o Banco Central liberará mais recursos para que instituições financeiras deem mais crédito ao mercado.
O chefe da pasta de Economia disse que o BC avalia liberar crédito ao varejo pelas “maquininhas”.
“Tanto os aplicativos quanto as maquininhas são viáveis e já estamos estudando. E eu sei que BC está conversando. Tem falado com o Caffarelli da Cielo [CEO], 1 outro da Rede e outro da PagSeguro. Estamos conversando com essa turma toda. A ideia do Banco Central é sair do cercadinho, não ficar só negociando com os bancos, abrindo para outros canais”, declarou.
De acordo com Guedes, há a possibilidade do BNDES aumentar para R$ 300 milhões a linha de capital de giro.

“DINHEIRO NA PONTA”

A expressão foi bastante usada pelo ministro da Economia durante a videoconferência com os varejistas. Afirmou que os recursos disponibilidades por bancos estão “empoçados no sistema financeiro” e que, agora, o governo está “dando dinheiro na veia, direto para as empresas”. E complementou: o dinheiro deve “sair de Brasília” e ir “onde o povo está“.
Segundo Guedes, o governo está se preocupando 1º com os mais “vulneráveis”“Os R$ 98 bilhões do programa para informais e microempresários são mais do que o [orçamento] discricionário de 2020″.

TRÊS PODERES

O ministro elogiou o trabalho dos congressistas em relação aos projetos que vêm sendo discutidos nas Casas legislativas. Mas alertou sobre 1 possível “ativismo regulatório”. Disse que conversa com deputados e senadores para “resistir a tentação de fazer 1 pequeno conserto que, na verdade, vai destruir” o futuro.
Também elogiou a atuação do STF (Supremo Tribunal Federal). “O protocolo da crise está sendo seguido. Os presidentes dos Poderes estão se entendendo”. Afirmou que o governo trocou seu “eixo de atuação“. Antes, estava focado nas reformas estruturantes. Agora, o objetivo são as medidas emergenciais.
Disse que está seguindo as determinações do Ministério da Saúde. Afirmou que bloqueou todas as exportações de produtos médicos e hospitalares, além de ter travado em aeroportos máscaras, ventiladores pulmonares, remédios e outros produtos médicos hospitalares. Também citou a retirada das alíquotas de importações de álcool gel, máscaras e respiradores.

Postar um comentário

0 Comentários

×