Medidas de socorro ao setor aéreo saem nos próximos dias


Afetado pelos cancelamentos de viagens decorrentes novo coronavírus, o setor aéreo receberá medidas de socorro nos próximos dias. A informação é de Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia. Segundo Costa, reuniões ainda estão sendo feitas com diversos setores para avaliar o impacto da pandemia de Covid-19 sobre a economia.
“Somente com o setor aéreo, estamos na 5ª reunião”, disse o secretário nesta 2ª feira (17.mar.2020). Costa informou que o governo enviou questionários a entidades de vários setores para dimensionar o impacto do coronavírus sobre as atividades.

O secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes, explicou que o órgão ainda está calculando o impacto das desonerações temporárias dos IPI (Impostos sobre Produtos Industrializados) sobre 67 produtos necessários para o combate à pandemia e da redução a zero das alíquotas de importação para produtos de uso médico-hospitalar até o fim do ano. Tostes explicou que, como as desonerações foram decididas de última hora, a Receita ainda não avaliou a perda de arrecadação.
Com a redução de impostos, o impacto das medidas emergenciais anunciadas pelo Ministério da Economia pode ser maior que os R$ 147,3 bilhões inicialmente divulgados.
O secretário executivo da pasta, Marcelo Guaranys, informou que o grupo de monitoramento criado para monitorar os impactos da covid-19 sobre a economia anunciará novas ações em breve. Segundo Guaranys, a 1ª fase consistiu em anunciar medidas gerais, antes de entrar nas ações setoriais.
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que o governo ainda está analisando eventuais socorros temporários a estados, fora do PEF (Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal). O secretário admitiu que diversos estados poderão precisar de ajuda para custear os sistemas locais de saúde e para superarem as perdas de arrecadação, mas a equipe econômica ainda não tomou nenhuma decisão sobre o tema.
×