Manifestações pró-Bolsonaro e anti-Congresso são mantidas em 259 cidades


Apoiadores de Jair Bolsonaro irão às ruas neste domingo (15.mar.2020) em pelo menos 255 cidades brasileiras e 4 no exterior. Os manifestantes desconsideram o pedido do presidente, na última 5ª feira (12.mar), para que as manifestações fossem adiadas.
No mesmo dia, a hastag  #DesculpaJairMasEuVou ficou em 1º lugar nos assuntos mais comentados do Twitter. Até as 08h15 deste domingo, #BolsonaroDay tinha 119 mil menções no Twitter e ocupava a 1ª posição no ranking brasileiro.

Segundo o presidente, os atos são “legítimos”, mas deveriam ser repensados para evitar a propagação da covid-19 –doença provocada pelo novo coronavírus.
Os governos de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo já suspenderam eventos públicos devido à pandemia. Militantes de algumas cidades adaptaram as manifestações em razão do risco de dispersão de covid-19 em aglomerações.
Em Brasília,  por exemplo, os manifestantes optaram por fazer uma carreata que  sairá  da região central  e percorrerá a Asa Norte e a Asa Sul. 
 
Contexto
O posicionamento do Planalto pró-manifestações se tornou público a partir de declarações do ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Durante uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, vazou uma declaração do ministro de que o Congresso “chantageava” o Executivo.
Diferentes autoridades criticaram o posicionamento de Heleno.  As declarações do ministro, no entanto, ganharam respaldo nas redes sociais, entre apoiadores do presidente. Depois, Bolsonaro usou seu WhatsApp pessoal para divulgar vídeo que conclamava a população para os protestos.
Bolsonaro pela 1ª vez se posicionou publicamente a favor dos atos no último dia 7, ressalvando que não se trata de 1 ataque aos demais Poderes da República. As manifestações têm uma pauta anti-Congresso, mas ele disse que “quem diz que é 1 movimento impopular contra a democracia está mentindo e tem medo de encarar o povo brasileiro”.
×