Fortes chuvas causam soterramento e mortes na baixada santista

 

A chuva torrencial que atingiu a Baixada Santista, entre o fim da tarde de segunda (2) e a madrugada terça-feira (3) deixou um rastro de destruição. Segundo a Defesa Civil do Estado, a tempestade provocou, ao menos, dez óbitos nas cidades de Guarujá, São Vicente e Santos. Pelo menos seis pessoas continuam desaparecidas.
O Coordenador Estadual da Defesa Civil, coronel Walter Nyakas Junior, está na região para se reunir com prefeitos e avaliar as primeiras necessidades. O governador João Doria (PSDB) confirmou que virá para a Baixada Santista para acompanhar os trabalhos. O chefe do Executivo paulista lamentou as mortes.
"Minha solidariedade aos moradores da Baixada Santista que sofrem com as fortes chuvas desde ontem. Lamentavelmente, até o momento, há 9 mortos confirmados. Temos 1 herói do Corpo de Bombeiros entre as vítimas. A Defesa Civil, Bombeiros e PM estão dando suporte às prefeituras".
Dados do Núcleo de Gerenciamento de Emergência da Defesa Civil do Estado indicam que o acumulado nas últimas 12 horas de chuvas no Guarujá foi de 282 mm, em Santos de 218 mm, em Praia Grande 170 mm, São Vicente 169 mm, Mongaguá 160 mm, Cubatão 132 mm e Itanhaém e Bertioga o acumulado foi de 110 mm.
A previsão para toda a terça-feira é de chuva moderada a forte em todo o Litoral, isso inclui toda a região da Baixada Santista devido a formação de uma área de baixa pressão na região e a circulação dos ventos nos altos níveis da atmosfera.

Santos

Segundo a Prefeitura de Santos, somente nesta segunda foram registrados 208 mm de chuva - quase a média esperada para todo o mês de março. Todo o efetivo da Defesa Civil, além do Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e equipes de zeladoria estão mobilizados para atender ocorrências registradas na cidade.
No total, até o momento, a Defesa Civil atendeu a 69 ocorrências nos seguintes pontos: Morro da Penha (2), Morro do Jabaquara (1), Morro do Fontana (4), Morro do José Menino (1), Saboó (2), Morro da Caneleira (2), Monte Serrat (3), Morro Santa Maria (8), Vila Progresso (3), Marapé (5), Nova Cintra (7), Morro do Pacheco (4), Morro São Bento (10), Morro do Bufo (1) e outros locais da Cidade (16).
O caso mais grave confirmado foi a morte de mulher, de 30 anos, no Morro do Tetéu. Uma criança foi resgatada, pelo Corpo de Bombeiros, no Morro do Fontana. A vítima foi socorrida pela corporação e levada para atendimento médico. O estado de saúde dela ainda não foi informado. Houve um soterramento no Morro Santa Maria, onde o Corpo de Bombeiros retirou um morador de uma casa atingida - ele não se feriu.
Equipes da Defesa Civil e Bombeiros ainda atendem ocorrências de deslizamentos nos morros do Pacheco, Tetéu e Santa Maria. Não há ainda a confirmação de vítimas.
Os trabalhos começaram na tarde desta segunda-feira (2), quando foram registradas ocorrências de deslizamentos nos morros Santa Maria, São Bento, Vila Progresso e Monte Serrat, além do rolamento de um bloco de rocha no Monte Serrat.
Os moradores foram orientados a conduzir de forma segura a água da chuva. Também foram fornecidas lonas plásticas para proteção das áreas afetadas e foi solicitado à Subprefeitura dos Morros o trabalho de fragmentação e diminuição do bloco de rocha.
Também houve a queda de uma árvore de grande porte no bairro Piratininga – ocorrência também atendida pelos Bombeiros.
Rua São Judas Tadeu, no Marapé, ficou tomada pela lama que desceu do morro
Por causa da forte chuva, vários pontos de alagamentos foram registrados na noite desta segunda-feira (2). Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego de Santos (CET-Santos), a situação já foi normalizada na maioria dos locais.
No entanto, o órgão ainda monitora, na manhã desta terça-feira, áreas bloqueadas por causa de alagamentos no trecho dos cruzamentos entre as avenidas Nossa Senhora de Fátima e Martins Fontes (intransitável nos dois sentidos, entre Saboó e Via Anchieta) e Avenida Nossa Senhora de Fátima com a Rua Ana Dias (também intransitável).
A CET também atende a um chamado de semáforo intermitente no cruzamento da Avenida Senador Pinheiro Machado com a Rua Luiz La Scala. Há uma equipe atendendo também um semáforo tombado nos cruzamentos das vias Gercino Hugo Capareli e Francisco Ferreira Canto, na Zona Noroeste.
Um deslizamento no morro do Pacheco atingiu carros que estavam pelo local e bloqueou uma faixa de rolamento da Avenida Martins Fontes, no sentido Centro. O tráfego flui em meia pista.
Ônibus
Os coletivos municipais que trafegam pela Avenida Nossa Senhora de Fátima, sentido São Vicente-Santos, já conseguem atender os usuários. No sentido Santos-São Vicente, há desvio em função de um carro quebrado, na Rua Mário de Andrade, aguardando remoção.
No Morro São Bento, no momento, as linhas de ônibus atendem parcialmente, por conta de deslizamentos. Ônibus vão até a Vila Progresso e retornam. E do outro sentido vão até Posto Policial e retornam. No Morro do Marapé, as linhas de ônibus trafegam normalmente.
O VLT não atende, no momento, por conta de um bloqueio no Morro do Marapé.
São Vicente
Duas pessoas morreram devido a um deslizamento, no Parque Prainha, no início da madrugada desta terça. Segundo informações da repórter Nina Barbosa, da TV Tribuna, um casal de idosos, que tentava fugir pela escadaria de uma residência, acabou sendo soterrado. Uma terceira pessoa da mesma família conseguiu escapar.
De acordo com o coronel Hegel Pereira Britto, chefe da Defesa Civil do Estado de São Paulo, um outro idoso morreu após uma grande erosão abrir em um asilo, na Vila Valença.
Casal de idosos acabou sendo soterrado após parte de morro ceder no Parque Prainha (Foto: G1 Santos)
Guarujá
O chefe da Defesa Civil do Estado de São Paulo também informou que três pessoas morreram no Morro do Macaco Molhado. Entre as vítimas fatais está um bombeiro que tentava resgatar moradores da região. Também vieram a óbito uma criança e um bebê. Em outro deslizamento, na Enseada, outras duas pessoas morreram. Um outro bombeiro está desaparecido
Peruíbe
Segundo a Prefeitura de Peruíbe, não houve registros de ocorrências. Nas últimas 72 horas, o acumulado de chuvas, no ponto instalado no Jardim Veneza, registrou 147,21 mm. Em média, choveu 140 mm no município.
Praia Grande
A Defesa Civil de Praia Grande informou que não houve ocorrências graves em decorrência das fortes chuvas da madrugada de terça-feira. Pontos de alagamentos foram registrados, mas não há desabrigados ou desalojados. A equipe da Defesa Civil ainda apura o índice pluviométrico das últimas horas.
Mongaguá
Segundo a Prefeitura de Mongaguá, nas últimas 24h, choveu 164,61mm, sendo que nas últimas 12h, foram 97,41mm. O acumulado de 72h são 255,73mm.
Transformadores do Sistema Mambu, atingidos pelas fortes chuvas, pararam de funcionar e, em razão disso, o abastecimento de água, em toda a região, está suspenso temporariamente.
A Defesa Civil, as equipes de Serviços Externos, Social e a Administração Municipal monitoram, desde a madrugada desta terça-feira, os impactos do temporal. Apesar do trabalho de drenagem que tem sido realizado, muitas ruas estão alagadas.
Caso alguém necessite de ajuda, por conta dos alagamentos, ligue para a Defesa Civil, no número 199. Para doações de roupas, móveis, alimentos e materiais de higiene pessoal, o telefone do Fundo Social de Mongaguá é  (13) 3507-1074.

×