Breaking News

Bolsonaro vê ‘demagogia’ e ‘politicagem’ em narrativas contra covid-19

 
O presidente Jair Bolsonaro publicou na noite desta 4ª feira (25.mar.2020) uma sequência de mensagens no Twitter para reafirmar sua posição em relação às ações para prevenção à covid-19 e também para rebater quem defende o confinamento total – como o fazem governadores.
Sem mencionar nomes, Bolsonaro reclamou de “demagogia” e disse que quem faz “politicagem” neste momento de pandemia é “covarde“. Afirmou também que seu governo está buscando “a dose adequada para combater esse mal sem causar 1 ainda maior“.

É mais fácil fazer demagogia diante de uma população assustada do que falar a verdade. Isso custa popularidade. Não estou preocupado com isso! Aproveitar-se do medo das pessoas para fazer politicagem num momento como esse é coisa de covarde! A demagogia acelera o caos“, publicou o presidente.
Bolsonaro disse ainda que, “se tudo seguir parado” devido ao confinamento nas cidades e a paralisação dos setores produtivos, a população “logo enfrentará 1 mal ainda maior do que o vírus“.
Se estivesse pensando em mim, lavaria as mãos e jogaria para a plateia“, escreveu. “Não condenarei o povo à miséria para receber elogio da mídia ou de quem até ontem assaltava o país!
O presidente continuou destacando que o Brasil parado já afeta 40 milhões de trabalhadores autônomos –sem mencionar de onde o número foi tirado.
Sem produzir, as empresas não terão como pagar salários. Servidores deixarão de receber. Não tem como desassociar emprego de saúde. Chega de demagogia! Não há saúde na miséria!“, escreveu.
Por fim, o presidente ponderou que seu governo não está pregando “descaso” no combate ao coronavírus, mas apenas busca “a dose adequada para combater esse mal sem causar 1 ainda maior“. “Se todos colaborarem, poderemos cuidar e proteger os idosos e demais grupos de risco, manter os cuidados diários de prevenção e o país funcionando.

Economia X prevenção

Bolsonaro tem minimizado a importância da pandemia de covid-19 há semanas, tendo chamado a enfermidade que já matou mais de 20.000 pessoas em todo o mundo de “fantasia” e acusando a imprensa de estimular “histeria” em relação ao coronavírus.
Na 3ª feira (24.mar.2020), o presidente fez pronunciamento em rede nacional de televisão e rádio no qual criticou governadores e prefeitos que promovem o “confinamento em massa“. O presidente disse que a covid-19 trata-se de uma “gripezinha” e contestou até mesmo o fechamento das escolas, mencionando que a maioria das vítimas da doença está na faixa acima dos 60 anos.
O isolamento social é defendido por autoridades sanitárias do Brasil e do mundo, incluindo a OMS (Organização Mundial da Saúde).
O Ministério da Saúde também endossa o pedido para que as pessoas fiquem em casa, mas o ministro Henrique Mandetta ajustou seu discurso ao do presidente nesta 4ª feira (25.mar). Afirmou que a imposição de quarentena precisa de 1 prazo para ter fim e reclamou que medidas extremas foram tomadas “praticamente no início” do surto.
Apesar das declarações de Bolsonaro e do ministro, os governadores mantiveram a decisão de manter as medidas restritivas e de isolamento social. Em carta assinada por 26 governadores (apenas Ibaneis Rocha, do Distrito Federal, não assinou), os chefes dos governos estaduais pregaram “bom senso, empatia e união” contra a pandemia e convidaram o presidente a “liderar” esse processo em parceria com os governadores.
Pela manhã, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), bateu boca com o presidente ao criticá-lo por sua posição em relação às medidas contra o coronavírus. O tucano disse que Bolsonaro “conflagra” a população ao ir contra as recomendações de isolamento para evitar a transmissão do coronavírus. O presidente retrucou e disse que Doria “não é exemplo” e “não tem responsabilidade“.

Postar um comentário

0 Comentários

×