Breaking News

Bolsonaro critica governadores no combate à covid-19 e chama Doria de ‘lunático’

 
O presidente Jair Bolsonaro criticou em entrevista à CNN Brasil na noite deste sábado (21.mar.2020) as medidas tomadas por governadores para combater o novo coronavírus. O chefe do Executivo, atacou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o chamou de “lunático”.
“É 1 lunático. Está fazendo política. Está se aproveitando desse momento para querer crescer politicamente. […] Medidas que esse governador tem tomado, como outros pelo Brasil, extrapolam”.
Na tarde deste sábado (21.mar), Doria decretou quarentena em todo o Estado de São Paulo a partir de 3ª feira (23.mar).

Além de Doria, outros governadores do país anunciaram medidas mais restritivas para o combate ao coronavírus. “Eles estão fazendo um clima de terror. Isso leva a depressão”, afirmou o presidente.
Bolsonaro acusou alguns mandatários, citando nominalmente Wilson Witzel (Rio de Janeiro) e João Doria (São Paulo), de se aproveitarem da pandemia para crescerem politicamente. “Esses governadores dizem que eu não tenho liderança. Digo a esses governadores: ‘as eleições de 2022 estão muito longes’”, disse.
Segundo Bolsonaro, a dose excessiva de remédio pode se tornar 1 veneno. “O Rio, por exemplo. Os aeroportos são usados para trazer gente do Brasil para cá, trazer insumos para cá, você continuar atendendo quem precisa de 1 transplante de órgãos.”
Ele chamou governadores de irresponsáveis e relacionou às medidas estaduais ao aumento do desemprego.
A entrevista veiculada pela CNN teve 1 problema técnico: o áudio do microfone do repórter não foi captado como deveria, assim as perguntas ficaram praticamente inaudíveis. A reportagem também não foi legendada para minimizar o problema.

“Gripezinha”

Bolsonaro também foi questionado sobre declaração na 6ª feira (20.mar) em que chamou a covid-19 de “gripezinha”.
O presidente justificou-se e afirmou que a declaração valeria apenas para ele mesmo. Disse que, depois da facada que recebeu em 2018, “está tranquilo para qualquer coisa”.
O chefe do Executivo, no entanto, sem apresentar dados, voltou a afirmar que o novo vírus “não será nada” para maioria das pessoas. “Para mais de 60% dos brasileiros, não será nem uma gripezinha.”
Questionado sobre o trabalho do ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Bolsonaro afirmou que, em 1 primeiro momento, “estava achando que ele [Mandetta] estava exagerando”.
O presidente também afirmou que, no momento, não fará 1 novo teste para o coronavírus. E disse que “jamais mentiria” sobre o resultado de seus exames. Os dois anteriores deram negativo para a doença.
Bolsonaro negou que o sistema de saúde do país entrará em colapso. A possibilidade havia sido mencionada por Mandetta em entrevista na tarde de 6ª feira (20.mar).

Cloroquina: “Muito confiante”

O presidente voltou a afirmar que está “confiante” com pesquisas que relacionam avanços no tratamento da covid-19 à cloroquina, medicamento usado para tratar malária.
“Existe a possibilidade, sim, de que o reoquinou seja eficaz para tratar os portadores de covid-19. Temos que nos antecipar a isso. […] Temos bastante. O custo é extremamente barato. Nos queremos que, uma vez confirmado, nos possamos distribuir para todos os infectados esse remédio”.
Mesmo com pesquisas que levantam a possibilidade, ainda não há indícios suficientes da eficácia do medicamento contra ao novo coronavírus.

Postar um comentário

0 Comentários