Header Ads

Breaking News

Zerar imposto de combustíveis e ICMS é “vergonha na cara”

 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta 5ª feira (6.fev.2020) que a proposta de zerar o imposto sobre os combustíveis se os Estados toparem cortar o ICMS não é “populismo” –como teria sido dito por 2 governadores que ele não citou–, mas sim “vergonha na cara”.
“Chega desse povo sofrer. Isso não é demagogia. Dois governadores que estão me criticando… Isso não é populismo, é vergonha na cara. Ou você acha que o povo está numa boa? Está todo mundo feliz da vida com o preço do gás, com o preço da gasolina, com o preço do transporte?”, questionou.

Na mesma fala, Bolsonaro também criticou a imprensa por ter usado a palavra “desafio” ao noticiar a proposta. Isso porque alguns jornais disseram que o presidente “fez 1 desafio” aos governadores. Ele próprio usou a expressão quando propôs a isenção tributária.
“Não desafiei governadores ontem, não, como vocês publicaram. Fizeram uma pergunta aí: o governador ou os governadores querem que você abaixe os impostos federais. Bem, acreditando na informação de vocês, olha só, hein, eu topo zerar os impostos federais e os governadores zeram o ICMS”, disse Bolsonaro.
“Mas o senhor usou a palavra ‘desafio’ na fala”, comentou 1 repórter.
“Não queiram se justificar, não. Vocês falaram que os governadores queriam que eu abaixasse os impostos”, contestou o presidente.
“Mas eles disseram isso…”, disse 1 repórter. “Eles soltaram uma nota dizendo isso…”, falou outro.
“Foram vocês que falaram”, rebateu Bolsonaro.
“Mas a gente falou o que eles disseram”, explicou 1 repórter.
“Vocês que falaram”, insistiu Bolsonaro.
“Mas, presidente, eles disseram publicamente…”, disse 1 repórter.
“Se disseram, a minha resposta foi aquela. Eles não falaram… [pausa]. Vocês me disseram que eles falaram que queriam que eu abaixasse os impostos federais, não é isso? Então, aí… Pode ser desafio, sem problema nenhum. Pode ser”, voltou atrás o presidente.
Num outro momento, Bolsonaro disse que só pedia à imprensa que falasse “a verdade”:
“Eu só pedi o apoio para vocês da imprensa. Fale a verdade, pô. Fale a verdade, porra! Só isso e mais nada. Não fica procurando uma palavrinha: ‘ó, é desafio’. [Bolsonaro dirigiu-se a 1 jornalista:] Ô, barbudo! ‘É desafio’, pelo amor de Deus! O mérito aqui é muito mais importante do que uma palavrinha.”
Depois, o presidente questionou o mesmo jornalista chamado de “barbudo” se ele trabalhava para a Folha de S.Paulo. O repórter respondeu que escrevia para o jornal O Globo. “Não sei o que é pior”, respondeu Bolsonaro.

SEGUE SE DIZENDO “IMBROCHÁVEL”

Bolsonaro também afirmou que a imprensa distorceu sua fala quando mencionou na última 4ª feira (05.fev.2020) sobre o custo elevado de tratamento para pacientes com HIV ao Estado. Afirmou que não vai “brochar” com as notícias.
“’Ah, ele está acusando quem tem Aids, está dando despesa’. Vai [sic] botar todos os aidéticos contra mim. Não estou preocupado com reeleição. Não vou brochar para atender a vocês pensando em reeleição. Eu sou imbrochável”, afirmou.
Não é a 1ª vez que o presidente se classifica como “imbrochável”. A palavra já fazia parte do vernáculo de Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018.

PEDE “MELHORADINHA” DA IMPRENSA

O presidente falou por 50 minutos na saída do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. De acordo com ele, uma das coisas que faltam para o Brasil “sair do buraco” é dar “uma melhoradinha na imprensa”.
“Melhora a qualidade de vocês. Vocês são o 4º poder. Melhora a qualidade que a gente sai do buraco. Vamos ajudar. É só crítica. Em vez de pegar e tentar ajudar com alguma coisa, é só crítica”, reclamou.
O presidente afirmou que os problemas financeiros da imprensa existem “em grande parte pela falta de notícias verdadeiras ali”.
“Quando muito o cara compra o jornal para ver futebol, ver a tabela de classificação. Se bem que agora dá para ver na internet. Não compra mais não, galera. Dá para ver na internet”, disse rindo.
Ao comentar sobre o baixo desempenho do Brasil no Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), por exemplo, disse que é “por isso que forma muito jornalista que não sabe nem fazer pergunta”. 
Bolsonaro não mencionou nada sobre os erros do Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) e sobre o convite para o ministro Abraham Weintraub (Educação) dar explicações sobre o teste no Congresso.

×