“Temos comércio com o Irã e vamos continuar”, diz Bolsonaro

 

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 3ª feira (7.jan.2020), em entrevista à imprensa na portaria do Palácio da Alvorada, que o comércio entre o Brasil e o Irã continuará o mesmo.
Na última 5ª feira (2.jan.2020), o general iraniano Qassem Soleimani foi morto por 1 míssil norte-americano com 8 pessoas em Bagdá, capital do Iraque. O comandante era líder da poderosa Força Quds do Exército de Guardiães da Revolução Islâmica. Depois disso, houve 1 aumento de tensão na região.
“Me reservo ao direito de estadista de não discutir este assunto”, falou. “Tem certas coisas que eu não posso falar. Quando a Dilma [Rousseff] aqui não aceitou as credenciais do embaixador de Israel, eu não vi nada na imprensa. Quero saber uma coisa: o Irã adotou alguma medida contra nós? Eu acho que não.”
Questionado se o governo pode tomar alguma medida após o Irã chamar a representante brasileira, Maria Cristina Lopes, para conversar, Bolsonaro disse que antes precisa falar com o ministro de Relações Exteriores. “O Ernesto [Araújo] está fora do Brasil. Chegando aqui vou conversar com ele”, respondeu.
“Estou aguardando o que haverá após essa convocação aí. Nós repudiamos terrorismo em qualquer lugar do mundo e ponto final. É 1 direito deles como é o meu também.”
Segundo dados do Ministério da Economia, o Brasil exportou US$ 2,2 bilhões para o Irã de janeiro a novembro de 2019, valor que representa cerca de 1% de tudo o que enviou para o exterior nesse período. Já as importações foram de US$ 88,9 milhões.

Defende ICMS na refinaria

Bolsonaro voltou a dizer que não pode ser responsabilizado sozinho pelo preço dos combustíveis no Brasil. Disse que parte significativa dos preços na bomba é resultado do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) cobrado pelos Estados. “Quem tá pagando o pato sou eu.”
“O ICMS não incide sobre o preço da refinaria, mas em cima do preço médio na bomba. Daí aquele que está praticando o preço um pouco abaixo se vê prejudicado e aumenta”, disse.
Falou que muitos governadores estão “quebrados” e que o país precisa de uma reforma tributária para corrigir essas distorções.“Precisamos melhorar os valores nas refinarias e nas bombas”, afirmou.
Defendeu ainda outra alternativa, uma redução do custo de transporte do etanol. De acordo com o presidente, o Congresso tem 1 “projeto parado” sobre autorização para frete sem intermédio de distribuidoras. Afirmou que isso poderia reduzir em aproximadamente R$ 0,20 no valor final do etanol para o consumidor.
×