Partidos gastaram R$ 152,3 mil com assinaturas de jornalões em 2018

 

Os partidos políticos gastaram R$ 152,3 mil com aquisição de exemplares e assinaturas dos maiores jornais do Brasil em 2018. As revistas tiveram menos apelo no ano: foram cerca de R$ 3.500 em assinaturas da Veja e R$ 2.100 da IstoÉ.
As cifras foram declaradas pelos próprios partidos ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Esses dados ficam disponíveis no repositório de dados eleitorais.
Gastos deste tipo são declarados sob a rubrica “assinaturas e aquisição de periódicos”. Apesar do nome da categoria, os partidos declaram ali também despesas sem relação com imprensa, como gastos com empresas de informática.
empresavalor
Agência EstadoR$ 67,6 mil
Folha da ManhãR$ 31,7 mil
Globo*R$ 29,6 mil
O Estado de S. PauloR$ 23,4 mil
*soma de gastos com diferentes CNPJs do Grupo Globo
fonte: TSE

A empresa de mídia que vendeu, em valores, mais assinaturas para partidos políticos em 2018 foi a Agência Estado: R$ 67,6 mil, aproximadamente. O principal negócio da firma é o fornecimento de informações sobre política e economia em tempo real.
Na 4ª posição ficou o jornal O Estado de S. Paulo, com cerca R$ 23,4 mil. O jornal e a agência são propriedade do mesmo grupo empresarial, o Grupo Estado.
Na 2ª colocação vem a Folha da Manhã, empresa que edita o jornal Folha de S.Paulo. Foram R$ 31,7 mil em 2018. Com CNPJs do Grupo Globo, o gasto foi de 29,6 mil.

Jornais locais

Entre os jornais de circulação local, o Correio Braziliense foi o que mais faturou com assinaturas de partidos. Por ser da capital federal, o Correio tem notícias de política nacional e pode entregar exemplares nos diretórios nacionais das siglas. Foram R$ 11.834,24 em 2018.
Em seguida, vem O Estado de Minas, de Belo Horizonte, com R$ 11.834,24. Depois, a Zero Hora, de Porto Alegre, que vendeu R$ 7.158,50 em assinaturas a partidos. Na 4ª colocação da mídia regional vem outra empresa da capital gaúcha: a Caldas Júnior, que edita o Correio do Povo. Foram R$ 6.120,00.
×