Breaking News

Vazamentos "anularam a condenação" de Lula, diz Gilmar Mendes a revista

Dida Sampaio - 11.mai.2019/Estadão Conteúdo 


As conversas entre o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF (Ministério Público Federal) no Paraná, procurador Deltan Dallagnol, podem anular a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do tríplex, avaliou o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).
Em entrevista à revista "Época", Mendes disse acreditar que o conteúdo das mensagens mostra que elas tiveram impacto no andamento da Lava Jato.
"Eu acho, por exemplo, que, na condenação do Lula, eles anularam a condenação", disse o ministro do Supremo referindo-se aos trechos das conversas entre Moro e Dallagnol, segundo a revista. Mendes que é conhecido por ser crítico ao trabalho da força-tarefa e ao de Moro.

Gilmar vê crime

Em trecho das conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, o procurador disse que iria usar uma "notícia apócrifa" para fazer uma intimação na Lava Jato. Moro, então, responde: "melhor formalizar então". Para Mendes, isso é um crime. "Simular uma denúncia não é só uma falta ética, isso é crime."
Na avaliação de Mendes, as conversas apontam que Moro seria o líder da força-tarefa. "O chefe da Lava Jato não era ninguém mais, ninguém menos do que Moro. O Dallagnol, está provado, é um bobinho. É um bobinho. Quem operava a Lava Jato era o Moro", traz trecho divulgado pela revista.
Ao UOL, o Ministério da Justiça disse que as conversas são "supostas mensagens, que foram obtidas de forma criminosa". A pasta ressalta que a PF abriu investigação para apurar o caso. Quando as primeiras mensagens foram divulgadas, o ministro e o procurador disseram que não havia "anormalidade" nas conversas. A Lava Jato mantém o posicionamento de que elas não mostram "ilegalidade".