Breaking News

Bolsonaro ameaça demitir Levy do BNDES e diz estar 'por aqui' com economista

O presidente do BNDES, Joaquim Levy, em evento no Rio

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) ameaçou demitir o presidente do BNDES, Joaquim Levy, mesmo sem a anuência do ministro da Economia, Paulo Guedes.
[ x ]
Bolsonaro disse que Levy "está com a cabeça a prêmio há algum tempo". Clima teria piorado, segundo Bolsonaro, depois da intenção de Levy em nomear um executivo que trabalhou na gestão petista.
"Eu já estou por aqui com o [Joaquim] Levy. Falei pra ele demitir esse cara [Marcos Barbosa Pinto] na segunda-feira ou eu demito você, sem passar pelo Paulo Guedes", disse Bolsonaro diante do Palácio da Alvorada, no início da tarde deste sábado (15).
Barbosa Pinto foi assessor do BNDES no governo do PT e, segundo reportagem do jornal Valor Econômico, voltaria ao banco para o cargo de diretor de Mercado de Capitais do BNDES. Levado por Guedes para a presidência do BNDES durante a atual gestão, Levy foi ministro da Fazenda de Dilma Rousseff (PT).
O presidente disse que "governo é assim, não pode ter gente suspeita" em cargos importantes. "Essa pessoa, o Levy, já vem há algum tempo não sendo aquilo que foi combinado e aquilo que ele conhece a meu respeito. Ele está com a cabeça a prêmio já há algum tempo", disse.
Questionado se Levy já estaria demitido, Bolsonaro negou.

Na última semana, Bolsonaro afirmou que vai demitir o presidente dos Correios, general Juarez Aparecido de Paula Cunha, por ele ter se comportado como "sindicalista".
Desagradou o presidente o fato de o general ter tirado foto com parlamentares de esquerda e de ter dito que não haverá privatização dos Correios, como é planejado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.
Em entrevista a Gerson Camarotti, do G1, Paulo Guedes disse entender a "angústia" de Bolsonaro, sugerindo estar ele também insatisfeito com o trabalho de Joaquim Levy no banco.
"O grande problema é que Levy não resolveu o passado nem encaminhou solução para o futuro", afirmou o ministro ao G1.
Guedes referia-se às investigações de possíveis responsáveis por empréstimos concedidos pelo banco a empreiteiras, durante os governos do PT, para obras no exterior. Em troca, elas pagariam propina.
Até o momento, nenhum funcionário do banco foi apontado como participante do esquema, mas Bolsonaro e Guedes insistem no discurso de abrir a "caixa-preta" do BNDES.
Outro motivo de descontentamento do ministro com Levy é a resistência do presidente do banco em devolver o dinheiro injetado no BNDES no passado.
Guedes já disse que espera receber R$ 126 bilhões neste ano, mas Levy não se comprometeu com a cifra. Os recursos são tratados como necessários para ajudar no ajuste fiscal do governo.
Diante das afirmações, é difícil que Levy permaneça no cargo. Nos bastidores, nomes para substituir o executivo começaram a circular, como o do secretário de desestatização e desinvestimento, Salim Mattar, e da superintendente da Susep, Solange Vieira, que é funcionária de carreira do BNDES. Nenhuma sondagem foi formalmente realizado até a noite deste sábado (15).