Breaking News

Suspeito de matar Marielle afirmou ter sido avisado sobre prisão, diz MP

Folhapress/Reprodução/SBT 

O policial reformado Ronnie Lessa, suspeito de ter sido o autor dos disparos que mataram Marielle Franco (PSOL) e Anderson Gomes, afirmou, no momento em que foi preso, ter sido avisado sobre a Operação Lume, segundo informou a coordenadora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), Simone Sibílio.

Ela disse que o suposto vazamento da operação --considerada a 1ª fase das investigações do caso Marielle-- será apurado. De acordo com a promotora, a operação seria realizada amanhã, mas, em razão de possível vazamento, ela foi antecipada para a manhã de hoje.

O policial reformado, 48, foi preso às 4h30, saindo de sua casa em um condomínio da Barra da Tijuca, zona oeste carioca. Com ele, foram encontradas munições calibre 5,56 mm, uma arma e três celulares em modo avião. "Isso mostra que não é uma pessoa voltada à paz. Investiga-se se era um mercenário", completou Simone.

Também hoje, o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, 46, foi preso na operação realizada pela Polícia Civil com o MP-RJ.
Perfil reativo a direitos de minorias

Queiroz e Lessa foram denunciados pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e emboscada) e pela tentativa de homicídio de Fernanda Chaves, assessora da parlamentar que sobreviveu ao crime. Segundo a coordenadora do Gaeco, o crime contra Marielle teve "motivação torpe e abjeta", praticado "mediante emboscada", com características típicas de "execução sumária".

Simone disse que a denúncia, feita com base em inquérito da DH (Divisão de Homicídios), concluiu que "o crime decorreu das causas abraçadas pela vítima Marielle". No entanto, de acordo com ela, a "motivação não inviabiliza um possível mando, pagamento de recompensas ou outro motivo torpe". A investigação continua em sigilo e nenhuma linha linha foi descartada, segundo a promotora Letícia Emile Petriz.

Letícia disse que todas as buscas feitas por Lessa na internet "mostram um perfil totalmente reativo a essas pessoas que lutam pelos direitos das minorias".

De acordo com Elisa Fraga, coordenadora do CSI (Coordenadoria de Segurança e Inteligência) do MP-RJ, a investigação que chegou a Ronnie Lessa teve três frentes de trabalho.

"A primeira delas com a divisão de inteligência, diligências em campo, com agentes que trabalham no Gaeco. A segunda, com interceptação telemática, com a divisão de inteligência cibernética. Depois, a compleição física do atirador, com um estudo biométrico para saber qual era o tipo físico do atirador", disse.

Ao menos 14 disparos atingiram o veículo onde estavam Marielle e Anderson --a vereadora foi baleada com quatro tiros na cabeça e Anderson, com três nas costas. O assassinato aconteceu na noite de 14 de março do ano passado no bairro do Estácio, região central do Rio.
Tecnologia traçou biotipo de atirador

"Recebemos uma imagem feita na Casa das Pretas [local onde Marielle se encontrava antes do assassinato], gerada por uma câmera de infravermelho. Depois, fizemos um estudo biométrico para saber qual era o tipo físico do atirador. Assim começamos a traçar um perfil da compleição física dele e chegamos a um homem de estatura entre 1,79 m e 1,82 m", disse Elisa Fraga.

"Imagem que foi obtida havia o braço direito do atirador. Nós fizemos a análise e, com a comparação do hoje denunciado Ronnie Lessa, nós pudemos verificar compatibilidade", completou.

Mais cedo, o delegado Giniton Lages, da Delegacia de Homicídios, disse que um terceiro suspeito não era descartado dentro do carro e que isso será avaliado numa segunda etapa das investigações. Já a promotora Elisa afirmou ter sido verificado que "não havia ninguém no banco da frente, com recurso de luz e sombra também usado no caso Amarildo". 

O que diz a defesa dos suspeitos

Os advogados dos dois presos negaram que ambos tiveram participação no crime.

A defesa de Queiroz explicou que o ex-PM sequer estava no local do crime no dia. "Tenho certeza que não há foto dele no carro, nem muito menos gravação dele neste dia. Tenho certeza que a vítima que sobreviveu não vai reconhecer o meu cliente", explicou o advogado Luiz Carlos Azenha.

Ele classificou de "trapalhada" a medida do MP e da Polícia Civil. "Trata-se mais uma vez de outra trapalhada da Polícia Judiciária com todo respeito à gloriosa Polícia Civil, mas nós já vimos que esse procedimento criminal, persecução penal, vem de outras trapalhadas", disse.

O advogado Fernando Santana, responsável pela defesa de Lessa, também destacou a inocência do seu cliente. "Tive contato com ele muito rápido, mas ele nega que tenha cometido qualquer tipo de assassinato. Vou ter acesso ao inquérito, pois até agora não tive - primeiro está em segredo de Justiça, mas agora já peticionamos para poder termos ideia de como chegaram na prisão do Ronnie Lessa", afirmou.