Breaking News

Ex-presidente Temer é preso pela Operação Lava Jato do Rio

Reprodução

O ex-presidente Michel Temer (MDB) foi preso preventivamente (sem prazo) na manhã de hoje em São Paulo pela força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio. O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio. Temer foi preso sob suspeita de ter recebido propina por meio de um contrato da Eletronuclear, estatal responsável pela construção de Angra 3.

Os fatos sob suspeita já estavam sob investigação na 7ª Vara Criminal e foram alvo de operações da Lava Jato no Rio, batizada de "Descontaminação". Em fevereiro, o STF encaminhou a Bretas novas suspeitas levantadas durante as investigações do inquérito dos Portos.

Michel Temer é o líder da organização criminosa a que me referi e o principal responsável pelos atos de corrupção aqui descritos

Juiz Marcelo Bretas, que ordenou a prisão do ex-presidente

Temer é suspeito de ter recebido propina por meio de um contrato da Eletronuclear, estatal responsável pela construção de Angra 3. Segundo os investigadores do MPF, um contrato foi assinado com a AF Consult, consórcio integrado pela Argeplan, empresa do ex-coronel da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, amigo de Temer conhecido como coronel Lima, com o objetivo de repassar dinheiro de propina ao ex-presidente. Lima também foi preso na operação.

Brian Alves, um dos advogados de Temer, confirmou a prisão e disse desconhecer o motivo. A defesa entrará com um pedido de habeas corpus nas próximas horas.

Além de Temer e Lima, também foram presos o ex-ministro Moreira Franco e outras cinco pessoas. Outras duas pessoas são alvo de mandado de prisão temporária, com prazo de até cinco dias. Todos os presos devem ser transferidos para o Rio de Janeiro, por determinação de Bretas.

A PF também cumpriu 26 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e no Distrito Federal. Entre os alvos de mandados de busca e apreensão está a casa de Maristela Temer, uma das filhas do ex-presidente.

    Leia a íntegra do pedido de prisão do ex-presidente Michel Temer

"É importante que se tenha em mente que um dos representados, Michel Temer, professor renomado de Direito e parlamentar muito honrado com várias eleições para a Câmara Federal, era à época o Vice-Presidente da República do Brasil. Recentemente, inclusive, ocupou a Presidência de nosso país. Daí o relevo que deve ser dado à análise de seu comportamento, pois diante de tamanha autoridade é igualmente elevada a sua responsabilidade", diz trecho do pedido de prisão feito por Bretas.
"Barbaridade", diz ex-presidente após prisão

"Barbaridade" reagiu o ex-presidente em telefonema ao jornalista Kennedy Alencar, da rádio CBN, logo após a prisão, durante seu trajeto em direção ao aeroporto de Guarulhos. Temer segue para o aeroporto de onde será levado ao Rio. Temer perdeu o foro privilegiado após deixar a Presidência.

Temer é o segundo ex-presidente da República preso desde a redemocratização do país. Desde abril do ano, o petista Luiz Inácio Lula da Silva cumpre prisão em Curitiba.

O ex-presidente era alvo de cinco investigações que tramitavam no STF (Supremo Tribunal Federal) e foram enviadas à Justiça de primeira instância. Além disso, o ministro Luís Roberto Barroso também havia determinado a abertura de outras cinco investigações na primeira instância, derivadas de suspeitas apuradas no chamado Inquérito dos Portos, que investigou o pagamento de propina a Temer por empresas que atuavam no setor.

MDB fala em "açodamento"

Após a prisão de Temer, o MDB, partido que foi presidido durante anos pelo ex-presidente, emitiu nota em que chama a postura da Justiça de "açodada".

Também do MDB, dois ex-ministros do MDB são alvo da operação: Moreira Franco, preso na manhã de hoje, e o ex-ministro Eliseu Padilha, que é alvo de mandados de busca. "O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco", comunicou o partido.