Breaking News

Juninho Pernambucano fala sobre demissão da Globo: “Censurado”

Reprodução/SporTV 

Juninho Pernambucano quebrou o silêncio e falou pela primeira vez sobre a demissão da Globo.
Em entrevista ao El País, o ex-jogador do Vasco revelou que foi censurado pela emissora após criticar o trabalho de jornalistas.
O episódio aconteceu em abril desse ano, quando ele disse ao vivo no SporTV (canal de esportes da emissora) que “os jornalistas que cobrem os clubes ‘são muito piores hoje em dia'”.
A crítica não agradou o canal, que emitiu até uma nota condenando seus comentários. Para Juninho, foi uma forma de censura, que se desgastou ainda mais após diversas brigas anteriores com seus colegas.

Juninho Pernambucano abre o jogo sobre saída da Globo

Após toda essa polêmica, o ex-jogador pediu demissão da emissora. Mais que isso, agora ele revela que desistiu da carreira de comentarista após ser censurado.
“Perdi a confiança na imprensa. Quando fui pra imprensa, me assustei com o desconhecimento generalizado. Não são todos, mas a maioria dos jornalistas desconhece o jogo”, disse.
Além disso, criticou o trabalho dos jornalistas esportivos atuais. “Grande parte da imprensa joga contra a evolução do futebol. Eles [jornalistas] precisam da gente, os ex-jogadores, para complementar o que não conseguem enxergar. Fui censurado na Globo por denunciar que tinha setorista vendido, que se envolve com sacanagem”.
Juninho também aproveitou para reclamar da censura da emissora. “É preciso combater o que tá errado lá embaixo na cadeia de produção do jornalismo para pautar coisas mais sérias. E aí, em pleno ano de 2018, sofri censura ao vivo na TV. Nenhum jornalista me defendeu”, revelou.

E não parou por aí. Além disso, o ex-atleta assumiu que já havia brigado com os colegas de emissora.
“Briguei com os três principais narradores e o principal repórter da casa. Briga grande, discussão pesada, de apontar o dedo na cara e tudo mais em reuniões. Só não teve vias de fato”, contou.
Todavia, mesmo com a experiência ruim, ele diz que saiu de consciência limpa.
“Sofria pressão por querer dizer o que penso. Enquanto a Globo me deixou trabalhar, fiz minha parte. Saí de consciência limpa. Não vendi minha alma nem meu caráter”, revelou Juninho, que está de partida para os Estados Unidos.